24/11/2017

Cartas de Amor aos Mortos - Ava Dellaira

||


Laurel é uma jovem que perdeu a irmã de forma traumática e que depois disso passou a viver uns dias com seu pai, outros com sua tia, mudou de escola e tentou recomeçar em um novo lugar e conhecendo novas pessoas. Tudo parece muito difícil de suportar e ainda sem amigos, Laurel recebe a tarefa de sua professora de escrever uma carta para alguém que já morreu. Sabendo da perda recente dela, imagina-se que ela escreveria para sua irmã May, mas ela começa escrevendo para Kurt Cobain e depois dele para uma lista de pessoas famosas em várias áreas e que já se foram. É através dessas cartas que conhecemos a história da protagonista e um pouco mais sobre seu dia a dia, suas novas amizades, seu amor, seus medos.

Carta de Amor aos Mortos é todo escrito em forma epistolar, ou seja, contado através de cartas, e isso só deixa o livro ainda mais interessante, pois além de acompanhar Laurel, rola aquela leve curiosidade de pra quem ela vai escrever a seguir. Nessa lista de destinatários estão Kurt, Janis Joplin, River Phoenix, Amelia Earhart, Heath Ledger, entre outros, e a escolha deles é  porque tem algo a ver com May, seja lembrança de alguma música que ela gostava, algum causo que ela contou.

May e Laurel sempre foram muito próximas, May era praticamente uma inspiração para a irmã mais nova. Por isso, foi mais difícil ainda de tentar superar essa perda. Nem mesmo a família resistiu, sua mãe resolveu partir pra se distanciar fisicamente, apesar de se falarem por telefone as vezes. 


Através dessas cartas, Laurel foi se soltando e amadurecendo, pois ela não conseguia conversar com ninguém sobre o que aconteceu com a irmã, ela se sufocava com isso. E também foi fazendo novas amizades e se apaixonando.

O livro traz uma história tocante, mas principalmente por você ver tudo pelos olhos de Laurel, isso faz com que a gente entenda a personagem e consiga compreender algumas de suas atitudes. E ao longo da leitura, pude ver que May não era tudo aquilo que parecia no início, e que na verdade precisava de ajuda, uma ajuda que nunca teve de sua família, família essa que também não soube apoiar nos momentos que Laurel precisou. 
Na verdade, se fosse pra escolher uma palavra pra definir os rumos dos personagens seria omissão. Não havia diálogo aberto na família e nem mesmo entre as irmãs, e assim coisas ruins aconteceram. 

Laurel, sem dúvida, é a personagem mais forte de toda a história, suportou muita coisa calada, quando não precisava fazê-lo. 

Carta de Amor aos Mortos é uma leitura importante mas que pode ser muito forte para alguns jovens. Não foi uma leitura emocionante, mas que com certeza deixou sua marca.





8 comentários:

  1. Olá, tudo bem? Já tinha ouvido falar desse livro por uma amiga, ela tinha me contado a historia, porém nunca tinha atrás de mais informações. Gostei da resenha por ela ter me deixado mais curiosa a respeito. Com certeza o que me chamou mais atenção foi o formato da narrativa, já que é bem diferente das que estou acostumada e sempre é bom sair da zona de conforto, né?

    Xau e até logo

    ResponderExcluir
  2. Esse livro, o estilo dele, me lembrou um pouco um que eu li chamado "A Maçã Envenenada". Foi um livro desses, que a pessoa contava sua história através de uma narrativa mesclada com outros assuntos. Não dei nada, mas curti.

    Bites!
    Tary Belmont

    ResponderExcluir
  3. Eu já tinha ouvido falar desse livro,mas ainda não li. Não faz muito meu gênero, mas parece ser um livro lindo e com uma mensagem pra vida. Poucos são os livros qhe conseguem fazer isso conosco. Bjks!

    ResponderExcluir
  4. Eu li esse livro há um tempão, mas não ficou entre meus preferidos... infelizmente, foi meio que uma decepção. Esse estilo de livro, por cartas, dá abertura pra ser bem íntimo, bem expressivo, e eu só senti que tava lendo mais um romance jovem-adulto em primeira pessoa. Fora que acho que faltou mais um pouco de sensibilidade pra retratar o luto. Senti que não saiu do canto, sabe? Ele fluiu, foi legal, mas não sinto que solucionou os problemas da família ou da Laurel. Mas é uma ideia bem interessante, adoraria por exemplo escrever uma carta pra Amy Winehouse <3

    ResponderExcluir
  5. Sempre leio resenha desse livro, mas mesmo gostando de livros que trazem cartas em suas narrativas, este não me chama atenção. E olha que eu gosto muito de histórias que trazem a questão do luto, que é um tema muito delicado. Quem sabe um dia eu não o leia.

    beijos

    ResponderExcluir
  6. Esse livro está na minha lista de desejamos faz um bom tempo. Acho que a parte da leitura sem emocionante vária de leitor para leitor e de momento também, pelo menos eu espero isso. Tenho algumas expectativas com o livro. kkk

    Blog Profano Feminino

    ResponderExcluir
  7. Quando entrei olhei e rápido e pensei que seria mais um daqueles romances sem graça, mas na verdade gostei MUITO da proposta do livro. Adorei essa parada das cartas, parece que dá um tom mais "real", não é verdade? Espero conseguir ler um dia.

    xoxo http://www.sextadimensao.com/

    ResponderExcluir
  8. Oi Nati, tudo bem? Esse livro está na minha lista a bastante tempo mas ainda não perdi as esperanças de ler. O que mais me chamou atenção foi a estrutura com que o livro é descrito. É interessante pensar o que escreveríamos para alguém que nem conhecemos. Com certeza bem criativo. Ótima resenha. Beijos, Érika =^.^=

    ResponderExcluir

Sejam bem-vindos e comentem a beça!

© Blog Ei Nati - 2016. Todos os direitos reservados.
Personalizado por: Natália Rabelo - Ilustrações por: Pedro Figueiredo Ilustrador
Tecnologia do Blogger.