17/12/2018

Resenha: Eu e meus ex-namorados

||

*livro enviado pela Editora Sekhmet*
Classificação: 2,5


Quado li as primeiras páginas de Eu e Meus Ex-namorados, contei aqui pra vocês, o que eu esperava da leitura.

A história é basicamente essa:
"Amanda é loira, linda e bem sucedida. Uma advogada em acensão, prestes a conseguir a sociedade no escritório de advogacia onde trabalha. Tudo parecia bem, apesar de ter aguentar o babaca do seu concorrente, mas ao receber o convite de casamento da sua prima uma grande preocupação começou a rodar em sua cabeça. Ela iria encontrar lá o seu ex-noivo, o mesmo que a traiu um dia antes de se casarem.
Apesar de ser uma mulher forte, decidida e feliz consigo, Amanda não quer ir sozinha na festa, quer mostrar ao ex que ela está muito bem em todos os campos da vida. Aí que entra sua excelente ideia, convidar, por email, todos os seus três namorados anteriores. O que prometia ser uma situação hilária começa a ficar tensa, quando esses ex resolvem lhe fazer uma proposta."

Eu realmente achava que a autora iria pro lado do chick-lit, mas ao ver a proposta dos três rapazes, imaginei que seria um livro bem hot, mas para a minha surpresa, o livro ficou como um romance que fala sobre poliamor, mas claro que com cenas picantes como em qualquer relacionamento amoroso.


A autora Hadassa M. Vaz sempre trabalha bem as relações amorosas em seus livros e todas as nuances e complexidades que se relacionar com outro pode ter. O que mais gostei aqui foi ela mostrar como as vezes a pessoa fica cega por uma paixão e só muito tempo depois descobre quem realmente era a pessoa.

Apesar de não me conectar muito com os personagens, o que foi um problema pra mim, acho que foi importante o livro tratar de um tipo de relação ainda tão pouco explorada na literatura. Por ser um livro curto, infelizmente, não foi tão aprofundado como poderia ser e vemos mais o que acontece apenas no período do casamento da prima da Amanda. Mesmo assim, podemos ver a reação das pessoas estranhando e outras apoiando e a dúvida da personagem principal se devia seguir seu coração e ser feliz ou seguir padrões já conhecidos na sociedade.

Os personagens masculinos também foram pouco explorados, como geralmente não acontece quando se trata de um casal, então isso acabou sendo um ponto fraco pra mim e atrapalhou um pouco essa conexão particular com a história.

A melhor personagem sem dúvida foi a Amanda que se mostrou forte e segura, mas sensível na medida certa.


É uma leitura leve, curta e que flui bem. 




Um comentário:

© Blog Ei Nati - 2016. Todos os direitos reservados.
Personalizado por: Natália Rabelo - Ilustrações por: Pedro Figueiredo Ilustrador
Tecnologia do Blogger.