13/06/2018

Resenha: O Ceifador de Anjos

||

Livro recebido em parceria com a editora Sekhmet.
Classificação: 3,5 ⭐

Christopher e Ramona são parceiros investigando crimes. Eles são chamados para as situações mais desagradáveis e para dar alguma solução a família das vítimas. Mas há um caso que parecia ter sido resolvido no passado, volta a atormenta-los, o caso do "ceifador de anjos". Um serial killer que mata fetos e consequentemente a grávida que o carrega em seu ventre.
Paralelamente a isso, há a linda relação de Vincent e Donna. Ele é um biomédico respeitado e competente, ela é professora universitária. Os dois são completamente apaixonados um pelo outro e tem uma relação de muita união e romantismo.
O que essas duas vertentes de história tem em comum? Vincent é o serial killer. Mas isso não é nenhum spoiler, pois fica bem claro na sinopse do livro e desde as primeiras páginas. O mistério que envolve é imaginar Donna vivendo ao lado desse homem sem desconfiar de nada, se os detetives conseguirão prender esse criminoso e porque Vincent está cometendo esses crimes.

Talvez essa seja uma das resenhas mais difíceis de escrever, pois não sei se conseguirei explicar exatamente o que pensar sobre esse livro, pois terminei a leitura com esse mesmo sentimento, " o que pensar sobre esse livro?" Mas tentarei contar-lhes um pouco do que achei.


Eu adorei a escrita da autora, apesar de ser extremamente descritiva, ela flui bem e não fica maçante. Te faz querer ler e ler sem parar, pois cria um certo vínculo com o leitor em contar tudo que está acontecendo.
Em contrapartida, por conta dessa mesmo motivo, a história pecou por falta de emoção e demonstração de sentimentos. Veja bem, era descrito o relacionamento de Vincent e Donna, eram descritas as cenas de assassinato das vítimas dele, mas pela forma como eram feitas não passava intensidade ou sentimento que o livro pedia. Não conseguia passar a carga dramática que uma história de um serial killer de fetos deveria ter. 

Viram como acaba sendo complexo e dúbio? O mesmo motivo que me fez gostar de O Ceifador de Anjos, fez o livro não ser emotivo e dramático. 

Era como eu estivesse lendo relatos, ou reportagens sobre assassinatos, como se eu estivesse lendo um capítulo de CSI (o que é ótimo pois adoro a série). 
Senti falta de ver o terror mais eminente nas vítimas do ceifador, de ver uma loucura no serial killer que ao lado de seus conhecidos parecia ser o melhor dos homens. Mesmo assim, me surpreendi com sua frieza em situações que eu não imaginei que ele fosse capaz de fazer.

Como é o primeiro de uma série, aposto muito nos próximos livros. O final desse primeiro teve um bom desenrolar e um gancho interessante pras novas situações. Acredito também, que no segundo volume, a autora irá conseguir se aprofundar cada vez mais nos personagens e nos mostrar o destino de Vincent, Donna e todos os outros.







2 comentários:

  1. Pesado essa coisa da "matar fetos", confesso que acho legais histórias com um mistério a ser solucionado, mas esse livros não me chamou a atenção, sem contar que ando com uma preguicinha de séries. Mas parabéns pela resenha.

    ResponderExcluir
  2. Eu li esse livro no ano passado, acho, em uma parceria com a autora e gostei muito do enredo da história. Mas admito que agora eu não lembro com clareza do desfecho e nem dos detalhes do livro. Isso seria um problema se eu quisesse continuar lendo a série, que ainda não sei se acontecerá. Mas o importante é que a sua leitura de alguma forma acabou se tornando agradável, ainda mais se tratando em conhecer uma nova autora nacional dentro desse gênero.

    www.sonhandoatravesdepalavras.com.br

    ResponderExcluir

Sejam bem-vindos e comentem a beça!

© Blog Ei Nati - 2016. Todos os direitos reservados.
Personalizado por: Natália Rabelo - Ilustrações por: Pedro Figueiredo Ilustrador
Tecnologia do Blogger.