05/09/2018

A Guardiã da minha irmã

||


Classificação: 5 ⭐'s - 💛

Sinopse: Concebida por meio de uma fertilização in vitro, Anna foi trazida ao mundo para ser uma combinação genética para a sua irmã mais velha, Kate, que sofre de leucemia pro mielocítica aguda. Aos 15 anos, Kate passa a sofrer de insuficiência renal. Anna sabe que se doar seu rim, ela terá uma vida limitada. Ciente de que terá de doar um de seus rins para sua irmã, Anna processa os pais para obter emancipação médica e direito sobre seu próprio corpo.

Lendo somente a sinopse não conseguimos ter a dimensão exata dessa história e da situação complexa e quase cruel que se passam os personagens. Nem sei se, ao menos eu, serei capaz de passar todo o peso desse livro através das minhas palavras nesta resenha. 

Kate foi diagnosticada com um tipo de câncer raro quando ainda era bem pequena e isso desestabilizou completamente a família Fitzgerald. Até então pais de dois filhos, Kate e Jesse, Sara e seu marido mudam sua vida pra se adaptar a nova realidade. Ela deixa de advogar e ele continua seu trabalho no corpo de bombeiros. Depois de tentarem vários tratamentos, eles resolvem fazer uma fertilização in vitro para gerar uma filha que combinasse perfeitamente com Kate, para ser sua doadora. E assim nasceu Anna


O que seria apenas para um pequeno procedimento com Anna recém nascida tornou-se rotina na vida da menina a ida a hospitais, já que a doença da sua irmã sempre voltava. Anna agora com 12 anos e prestes a ter de doar um rim pra sua irmã, resolve procurar ajuda judicial para se emancipar e poder tomar as decisões sobre si.

Mesmo já tendo assistido (e chorado muito) a adaptação Uma Prova de Amor protagonizada pela Cameron Diaz, o livro é muito mais. Jodi Picoult tem uma escrita muito envolvente e real, cheia de emoção mas sem ser piegas. A grande sacada da história também, é que A Guardiã da Minha Irmã é narrado por vários pontos de vistas diferentes. Cada personagem tem seu espaço para narrar através de seu olhar de tudo que tem acontecido ali. E esse é o ponto fundamental, pois nessa situação não há certo ou errado. É impossível julgar algum dos lados sem sofrer por ele e compreendê-lo.

É difícil demais imaginar o sofrimento que aquela mãe está passando ao ver a filha sofrendo há anos sem ter nada a seu alcance para salva-la. E que a única coisa que era possível era ter outra filha que também, agora, está sofrendo por passar por tudo aquilo. Uma mãe dividida por dar atenção mais a uma filha e acabar deixando de lado o seus outros dois que também precisam dela. Uma família dividida pela dor.

Por outro lado, Anna, uma menina ainda, que nasceu com o único propósito de salvar a irmã, mas tentando encontrar e entender seu lugar no mundo. Uma garota determinada, firme, inteligente. Cansada de sofrer com toda essa situação, mas ao mesmo tempo melhor amiga da irmã e não quer perde-la. 

Quando um casal se torna pais, os filhos não vem com um manual de como agir, muito menos em situações que os filhos ficam doentes correndo risco de vida. Quando passamos por uma situação determinante com Anna e Kate estão passando, também não temos a instrução correta do que devemos fazer, apenas vamos vivendo e sendo levados pelos acontecimentos.

Apesar do foco principal ser a família Fitzgerald, tenho que citar também a história bem construída paralelamente do advogado de Anna.

Uma história onde não há certo e errado, onde não há lugar para julgamento prévio antes de ver e ler todos os personagens. Uma história com uma carga dramática real e envolvente que nos faz parar para refletir e que nos faz chorar com os pequenos detalhes e com o final de um ciclo. A Guardiã da Minha Irmã já figura na minha lista de livros favoritos e melhor leitura do ano até agora.


3 comentários:

  1. eu nunca assisti o filme, mas já vi passar a chamada na tv... nem sabia que era livro! a história é bem angustiante e que bom que mostra diferentes pontos de vista :)
    vou anotar aqui e quando eu puder, vou ler (e assistir o filme também)(eu acho que vou chorar)
    bjs!

    ResponderExcluir
  2. Eu já assisti o filme é emocionante,tbm não sabia que tinha livro �� amei a resenha❤❤

    ResponderExcluir
  3. Oi, não assisti ao filme e acho que não irei. Quanto ao livro tenho receio de ler no momento por ele ter doenças, o que estou evitando ler por motivos pessoais, isso me deixar muito triste, mas quem sabe daqui um tempo eu mude de ideia e de uma chance.

    ResponderExcluir

© Blog Ei Nati - 2016. Todos os direitos reservados.
Personalizado por: Natália Rabelo - Ilustrações por: Pedro Figueiredo Ilustrador
Tecnologia do Blogger.